Número total de visualizações de página

segunda-feira, outubro 11, 2010

estória

Ela, Vanessa, Ele, Ricardo ... cresceram juntos num bairro duvidoso no perímetro da cidade grande.
Ela tinha 13 anos, ele tinha 11 e andavam na escola. Começaram o namoro e dois anos depois ela engravida. Constituem família. Ele há-de concluir o 6º ano e ela o 9º. A filha tem agora 17 anos.
Em Outubro do ano passado, ele, Ricardo, bebeu mais do que a sua lucidez suportava e deu-lhe 3 estaladas na cara e uma dentada no braço.
Ela, Vanessa, teve medo, não reconheceu o seu fiel companheiro de infância, de adolescência e de vida. Não reconheceu o seu Ricardo. É pacifica, diz e não aceita a violência sob nenhuma forma, muito menos vinda do seu companheiro.
Chamou a polícia, pediu ajuda aos amigos e saiu de casa levando a filha consigo. Apresentou queixa contra ele por violência doméstica.
Uma semana depois ele telefonou-lhe. Encontraram-se, conversaram, ele pediu-lhe desculpa, disse-lhe para voltar para casa e acertaram a vida a partir daí cada um para seu lado.
Ele foi viver com um amigo e ela regressou com a filha à casa que é dele, por morte de seus avós.
Tinham pedido um empréstimo para fazer obras. Na data dos factos, o empreiteiro tinha-se ido embora, levado o dinheiro consigo e abandonado a obra por concluir. Muito stress, adianta, uma altura má da vida.
As prestações no banco, essas, continuavam e continuam a correr, todos os meses, em dia certo.
Cada um ganha 500.00 euros por mês em trabalhos que não são precários, com categorias profissionais que começam pelo pomposo nome de Assistente ...
Trabalham todos os dias`da semana. Ele entra às 8h da manhã, ela tem horário incerto, trabalha por turnos e por vezes sai muito tarde.
Partilham o empréstimo das obras, cada um paga 200 euros. Ela fica com 300 euros com os quais se sustenta a si e à filha. Ele fica só com 200, porque precisa pagar 100 euros para o quarto onde vive.
Quando a Vanessa sai tarde, ele fica em casa, a fazer companhia à filha, para que não fique de noite sozinha em casa, porque´o bairro é duvidoso.
Quando ela chega a casa, ele termina a sua função de pai vigilante. Umas vezes vai embora, outras, fica a dormir no sofá da sala porque de manhã pega ao trabalho muito cedo. É assim há quase um ano.
São ambos bonitos, educados, civilizados, exprimem-se bem, sorriem quando falam e quem olha para eles acredita que a vida nunca os poderá trair.
Talvez voltem a viver juntos, dizem...
Ele ainda não pensou nisso, embora ache que é isso que vai acontecer, mas por enquanto está muito bem assim. A dar-se um tempo!
Ela, já pensou nisso, também acha que a vida os juntará de novo, mas por enquanto quer ficar assim ... a dar-se um tempo, a dar-lhe um tempo.
Não têm namorados, nem querem.
Querem apenas viver separados e sozinhos, tal como estão.

Ela, insistentemente inquirida sobre casos semelhantes no passado, disse não existirem, nunca terem existido. Que se tinham zangado em 2003 e tinham chamado nomes um ao outro. E que em 20 anos de relacionamento, exisitiam bons e maus momentos, e que achava isso normal. Normal já não achava a bofetada.
Sol e chuva sim, mas bofetada não.

sábado, maio 22, 2010

17 anos de dias horas minutos segundos...




Por necessidade medimos o tempo. Primordial forma de organização, as prateleiras, as gavetas, os sistemas, funcionam para quase tudo.


Há 17 anos atrás também foi uma 6ª feira. Teve sol o dia inteiro, mas o sábado a seguir amanheceu chovendo...aquela chuva de Maio, chata que se farta, que só o aparecimento das primeiras cerejas, vendidas em pacotes de papel manteiga com riscas cinzentas e cor de rosa, contrariava.


De resto, o dia 22 de Maio seria igual a todos os outros dias de todos os meses de Maio. Mas naquele ano não foi. Entre cerejas empacotadas e bagos de chuva, a minha existência mudou.


17 anos de Lígia têm sido o melhor caminho para caminhar...e porque é caminhando que se faz caminho ... ainda temos muito para aprender, ensinar, partilhar, mimar neste caminho bom que é a vida.


Sou uma confessa mãe babada. Descubro neste ser novo a crescer a meu lado, todas as delicias do mundo e pasmo ante as possibilidades ... agora já sem tanto medo ... agora já sem angustias ... acreditando que as possibilidades são o livrinho branco onde as vidas se vão escrevendo.


Continuo a fazer brincos com cerejas e cestinhos dos caraços das ditas ... alegremente!


E quando acabar o tempo das cerejas ... degustarei outros frutos e inventarei outras brincadeiras.


A vida é esta magia! E o sentido da vida, é ser feliz. SER FELIZ!!!! Ouviste, filha???
Parabéns, querida filha


domingo, outubro 18, 2009

35 anos de Bando

dia bonito!

Trouxe azeitonas que vou pôr a medrar ... lá para o almoço de dezembro, prometo levá-las prontas a comer ... assim como quem deixa um passo por cumprir ...

até já
Posted by Picasa

domingo, outubro 11, 2009

Agora que faço eu da vida sem voçê??


10 de Outubro de 2009.

A Maggy morreu faz hoje 1 ano, o Manel Laranjeira faz hoje 54 anos, o Ricardo foi-se em terras de somalis há 12 anos atrás.


Maggy, não me deixaste a receita do arroz de salmão, não me disseste o numero da cor do teu cabelo pintado, não me ensinaste o exacto movimento da mão que torneava o caracol, não me ensinaste como se ouvia o mar, como se construíam os baldinhos às costas do Ling ...

Mas ensinaste-me uma coisa com a qual ainda ando às voltas. Porque raio me fazes tanta falta? Porque raio a tua au`sência me causa tanta dôr, tanta saudade, tanta vontade de rasgar o ar, e chegar ao céu para ver se te encontro?

Odeio saber de cor datas assim. Já conto duas!!! São dois pedaços de mim que já se foram.

Olha, diz ao Ricardo que a boca torta lhe dava um jeitinho único de ser ... e se o encontrares por esse aí ... que não sei mesmo o que é...divirtam-se. Quando derem por mim ... vamos fazer jogging juntos pela manhã...e rir muito, muito!!!

Ai pedaço de céu ... das palavras sem estado!!!

Boa noitinha Maggy. "hasta la pasta"